• denuncias
  • peticionamento
  • Mediação
  • mov procedimentos
  • autenticidade de documentos
  • administracao publica
  • fraudes trabalhistas
  • liberdade sindical
  • meio ambiente
  • promocao igualdade
  • trabalho escravo
  • trabalho infantil
  • trabalho portuario

    • Responsabilidade bancos
    • Banner Call for Papers
    • Local de prova
    • Banner eliminacao
    • Aviso de Desfazimento 2018
    • banner protocolo
    • Banner audin
    • abaixo assinado trabalho escravo

    Correios devem pagar R$ 500 mil por submeter carteiros a situações de risco e insegurança

    Campinas – A 10ª Vara do Trabalho de Campinas condenou a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos ao pagamento de indenização por danos morais coletivos no importe de R$ 500 mil por expor carteiros a condições de insegurança. A sentença confirma a liminar proferida em dezembro de 2013, determinando a suspensão de todas as entregas de encomendas em 73 áreas de risco de assaltos nas cidades de Campinas, Jundiaí e Sumaré, até que seja comprovada em juízo a adoção de medidas para garantir a segurança dos trabalhadores, sob pena de multa de R$ 1 milhão por constatação de descumprimento. A ação é do Ministério Público do Trabalho. Cabe recurso ao Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região.

    Imprimir

    MPT recomenda políticas inclusivas para contratação de pessoas com epilepsia na região de Campinas

    Campinas - Na manhã dessa quarta-feira (12), o Ministério Público do Trabalho realizou audiência coletiva em conjunto com o Ministério do Trabalho e com a ASPE (Assistência à Saúde de Pacientes com Epilepsia), reunindo representantes de 50 grandes empresas da região de Campinas para falar da importância da inclusão de pessoas com epilepsia no mercado de trabalho. O MPT recomendou aos empregadores que promovam ações inclusivas e que não efetuem dispensa discriminatória de pessoas portadoras do distúrbio neurológico.

    Imprimir

    Cutrale é condenada em R$ 2 milhões por realizar revistas pessoais em funcionários

    Araraquara – A Sucocítrico Cutrale foi condenada ao pagamento de R$ 2 milhões, a título de indenização por danos morais coletivos, por realizar revistas ilegais nos pertences dos seus funcionários. A ação é do Ministério Público do Trabalho em Araraquara. O valor será destinado em favor de instituição com relevância social, a ser apontada pelo MPT na fase de execução. Cabe recurso ao Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região.

    Imprimir

    Audiência alerta empregadores de Campinas sobre cumprimento da cota de aprendizagem

    Campinas - O Ministério Público do Trabalho, o Ministério do Trabalho e o Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região realizaram na manhã dessa quarta-feira (5) uma audiência coletiva com a presença de mais de 200 empresas de Campinas, com o objetivo de alertá-las sobre a obrigatoriedade do cumprimento da lei nº 10.097/00, conhecida como lei de aprendizagem, pela qual é estabelecida cota de contratação de jovens aprendizes a empresas de médio e grande porte. O evento aconteceu nas dependências do teatro Castro Mendes.

    Imprimir

    Município de Angatuba é condenado a pagar R$ 189 mil por descumprimento de TAC

    Sorocaba - O Município de Angatuba foi condenado pela Vara do Trabalho de Itapetininga a pagar multa de R$ 189 mil pelo descumprimento de um Termo de Ajuste de Conduta (TAC) firmado perante o Ministério Público do Trabalho (MPT) em 2012. O Executivo Municipal havia celebrado o acordo com o objetivo de adequar a jornada de trabalho, o pagamento de verbas salariais e o meio ambiente laboral dos servidores municipais conforme as exigências legais.

    Imprimir

    Em ação contra usina, TRT-15 aumenta indenização para quase R$ 6 milhões e condiciona a liberação da terceirização de atividade-fim

    Campinas – A terceirização das atividades fins da Usina Santa Adélia S/A é válida a partir da entrada em vigor da reforma trabalhista (11 de novembro de 2017), desde que realizada por empresa que possua “capacidade econômica compatível com a execução do contrato”. Este é o entendimento da 1ª Turma de desembargadores do Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região, que reformou parcialmente a sentença de primeira instância a qual proibia a prática em atividades de plantio, colheita e manutenção de cana-de-açúcar. Por outro lado, os magistrados ampliaram de R$ 500 mil para R$ 5,9 milhões a indenização por danos morais coletivos a ser paga pela usina. A ação é do Ministério Público do Trabalho (MPT). Cabe recurso ao Tribunal Superior do Trabalho (TST).

    Imprimir

    • banner pcdlegal
    • banner abnt
    • banner corrupcao
    • banner mptambiental
    • banner transparencia
    • banner radio
    • banner trabalholegal
    • Portal de Direitos Coletivos